Facebook
RSS

16/10/2010

Uma das grandes vantagens nas vendas online é a capacidade de oferecer produtos sem as limitações físicas. Aliás, não apenas limitações físicas são reduzidas mas pricipalmente limitações financeiras. A internet é o meio de comunicação que aproxima as empresas de seus consumidores com menores custos e, atualmente, com maior efetivadade quanto a fortalecimento de marca e geração de vendas.

Com isso, médias e pequenas empresas igualam-se às poderosas na internet.

No entanto, não recomendo que você saia vendendo tudo o que achar pela internet, sem antes fazer um estudo sobre as necessidades primordiais de seu consumidor, de seu cliente.

Depois de definir seu negócio e montar seu site ou loja virtual, o próximo e muito importante passo é a divulgação. Sem publicidade qualquer negócio está destinado ao fracasso.

É aí que eu quero chegar. Mesmo que as redes sociais sejam, hoje, o formato de marketing desejado por 9 entre 10 empresários, os sites de busca continuam sendo a principal fonte de visitas, clientes e vendas. Não há o que discutir. É nos buscadores que 80% dos internautas procuram por produtos, serviços e por qualquer outro assunto, como lazer, diversão, notícias, informação em geral.

Os links patrocinados são a porta de entrada mais fácil para um negócio no mercado. Uma campanha de links patrocinados planejada e gerenciada adequadamente pode proporcionar excelentes resultados de aproximação de clientes e geração de vendas. Mas fique atento, feita de uma forma amadora, uma campanha pode comprometer seu orçamento e o futuro da empresa na internet, gerando reflexos e consequências até para a loja física.

Periodicamente recebemos contatos de empresários que buscam alternativas para suas campanhas de links patrocinados que, é normal ocorrer, atingem limites de investimento com resultados poucos expressivos. Claro que a principal razão pode ser uma campanha mal planejada, anúncios mal feitos, palavras-chave mal escolhidas. Mas, além disso, um dos principais fatores que dificultam o sucesso, principalmente para pequenas empresas, é a forte concorrência. Os anúncios patrocinados funcionam como um leilão em que, aparece na frente, o anúncio que oferecer mais pelo patrocínio de palavras/expresões. Gerenciamos algumas campanhas de clientes em que é preciso oferecer até R$ 2,00 para se obter um clique. Isso mesmo, uma mísera visita. Imagina para ter milhares de visitas. É por isso que é normal algumas empresas investirem verbas enormes mensalmente, principalmente no Google Adwords.

Tudo bem se der resultado. O problema é que muitas empresas chegam a investir R$ 50.000,00 por ano para gerar meia dúzia de vendas. Quando for medir o ROI (retorno do investimento), o empresário ou seu “empregado que cuida da campanha”, cai na real e suspende os anúncios. O que acontece então? Nada de visitas e nada de vendas. Não sei o que é pior: gastar muito e vender pouco ou não vender nada.

É nesse momento que eu falo para esses empresários que, apesar disso, aparecer na frente nos sites de busca é obrigatório para o sucesso de qualquer empresa. E para isso, o meio mais rentável é ter um site otimizado para os sites busca.

O trabalho de SEO (search engine optimization – ou otimização de sites para buscadores numa tradução livre) consiste em estudar, desenvolver e aplicar técnicas que vão “dizer” aos buscadores que aquelas páginas são muito importantes para determinadas palavras-chave. Assim, essas páginas tornam-se mais habilitadas a concorrer a melhores posições em pesquisas nos mecanismos de busca. Um site bem otimizado mesmo pode ser localizado facilmente nos buscacores por centenas e até milhares de palavras-chave relacionadas aos produtos, garantindo, assim, o tráfego necessário de usuários que tem interesse naqueles produtos, o que é o primeiro passo para gerar uma venda. Estou falando de milhares de visitantes potenciais todo mês sem precisar pagar nada ao Google ou qualquer outro buscador.

Claro que outros fatores podem interferir negativamente como má qualidade dos produtos, altos preços ou mal atendimento, e que devem ser minimizados.

Quem mais lucra com isso são as lojas virtuais. Um estudo recente mostrou que quem quer comprar utiliza mesmo os sites de busca para procurar lojas, comparar preços e saber mais sobre os produtos. E não as redes sociais, apesar de serem o xodó do marketing online atual.

Ricardo Prates Morais é consultor em web marketing da agência emarket e editor da emarket News e do blog Publicidade na Web.

CURTA NO FACEBOOK

One Response so far.

  1. Letícia disse:

    Acho que este é um dos blogs mais interessantes para minha atividade. Tenho gostado ler varios novos posts , sempre de excelente conteúdo :D. Bom trabalho!


Como podemos divulgar seu site:

  • Campanha de Links Patrocinados no Google Adwords
  • Otimização de site - SEO Otimização Site
  • Campanha de marketing nas redes sociais
  • Criação de site Otimizado - Desenvolvimento de site